PORTUGAL

Um país de longa tradição vinícola, tendo como marco importante a implantação da vinicultura pelos romanos, tal como ocorreu nos demais países de maior expressão vinícola da Europa. A vitivinicultura portuguesa demorou a evoluir tecnologicamente e, por muito tempo, produziu poucos vinhos de alta qualidade, porém nas últimas duas décadas, como consequência do fantástico desenvolvimento econômico, político e social do país, a vitivinicultura sofreu sensíveis avanços, particularmente no campo tecnológico.

O fato mais importante é que essa modernização foi realizada sem destacar os aspectos tradicionais positivos, como por exemplo, a utilização de variedades de uvas autóctones e tradicionais. Com a ajuda da tecnologia, essas castas, que antes originavam vinhos de qualidade inferior, passaram a dar grandes rótulos. Numa época de globalização, com a uniformização de condutas e gostos, é maravilhoso degustar os bons vinhos portugueses.

A Quinta N.Sra da Conceição da Lapa foi fundada em 1733, numa localização única, nas melhores e mais férteis terras da colinas a leste da Serra de Montejunto numa zona que faz parte da região vitivinícola do Tejo, uma das denominações mais dinâmicas e promissoras do panorama de vinícolas de Portugal.
Quase três séculos passados, a atual família proprietária que adquiriu a quinta em 1989, começou a construção de uma nova adega, as vinhas foram replantadas com castas tradicionais como as tintas Touringa Nacional, Castelão, Aragonês e Trincadeira Preta e as brancas Arinto e a rara Tamarez. Foram também selecionadas as melhores castas internacionais como a Syrah, Cabernet Sauvignon e  Merlot, que permite afinar o perfil dos vinhos num estilo clássico.Como isso os vinhos da Quinta da Lapa vêm ganhando destaque e reconhecimento nos últimos anos conquistando prêmios nacionais e internacionais. 

A CVD (Companhia dos Vinhos do Douro) é uma empresa que produz e comercializa vinhos DOC Douro de elevada qualidade e rigor técnico A empresa possui um profundo conhecimento da região com uma dose grande de profissionalismo e desenvolvimento, usando o melhor método enológico, fórmula necessária para obter vinhos modernos, grandiosos e capazes de despertar sensações agradáveis aos amantes do vinho.

A produção iniciou-se com a marca Fagote, produzindo apenas dois vinhos tintos unicamente. Com o sucesso destes vinhos, foi possível o desenvolvimento da produção que permitiu lançar o primeiro vinho top da vinícola, o Oboé.

Localizada na cidade de Amarante no distrito do Porto, a Quinta de Carapeços é uma vinícola boutique especializada em elaborar vinhos verdes, pertencentes à categoria superior: vinho regional do Minho. Atualmente a vinícola perpetua os métodos de elaboração que deram fama mundial ao Vinhos Verdes.

O Terroir de Pegões esta situado entre duas reservas naturais, a do Estuário do Tejo a Noroeste e a do Sado a sudoeste, a poente a Serra da Arrábida e a nascente de Barros Alentejanos, a região de Pegões apresenta condições climáticas privilegiadas. Com clima de influência mediterrânea e localizada na mancha de solo plano denominada por “Pliocénio de Pegões”, caracterizada por um solo arenoso pobre formado ao longo de milhões de anos pelo depósito das areias transportadas pelos rios Tejo e Sado, origina vinhos de características ímpares, próprios de um terroir que só em Pegões existe. 
A Adega de Pegões é hoje uma adega moderna e competitiva reconhecida a nível nacional e internacional, com inúmeras distinções e prêmios nos mais renomados concursos mundiais de vinhos. Possui uma área vinícola de 967 hectares que produzem em média 7.000.000kg de uva, sendo 74 % tinta e 26 % branca.

Inserida na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, considerada a maior região de Portugal e uma das maiores regiões demarcadas do mundo, é uma região caracterizada por uma produção dispersa por múltiplas explorações agrícolas de pequena dimensão.

A Vercoope, União de Adegas Cooperativas da Região dos Vinhos Verdes, foi fundada em 1964, em Agrela- Santo-Tirso. Impulsionada pela união, tem como objectivo engarrafar e comercializar os vinhos produzidos nas Adegas Cooperativas de Amarante, Braga, Famalicão, Felgueiras, Guimarães, Paredes

e V. Cambra, e de mais de 5000 viticultores. Defendendo uma política de qualidade e prestígio para os seus vinhos com denominação Vinho Verde, ocupa por direito próprio um lugar de destaque no setor, sendo naturalmente considerada uma instituição de referência no panorama regional e nacional.